terça-feira, 15 de dezembro de 2020

HÁ VOZES NA POESIA DE IRANICE

       HÁ VOZES NA POESIA DE IRANICE 

 

Susana Vernieri - escritora

 

Há um diálogo subliminar com a tradição na poesia de Iranice Carvalho da Silva. Seu livro de estréia, Escritos da Sobrevivência (Editora Libretos, 2020, 116 pgs.) traz as vozes de Carlos Drummond de Andrade e Manoel de Barros, para citar apenas dois robustos mestras da palavra, correndo pelo rio subterrâneo da linguagem. Um profundo questionamento sobre o ato de escrever também percorre os versos da escritora. Composto por três partes – Parte I: Desmantelo, Parte II: Enchentes e Parte III: Sobrevivências –, a obra contém ilustrações de autoria da própria poeta que dão ainda mais um tom de delicadeza ao texto.

O poema XIII da primeira parte, guarda uma familiaridade com os versos do poeta brasileiro Manoel de Barros, sempre atento aos ínfimos objetos que por serem mínimos são ricos de essência. “Cigarras são insetos/Alguém me informou/Que horror, como a ciência é injusta, pensei/Para mim as cigarras eram mensageiras do Natal//Grandes abelhas de vidro/Agora de volta ao interior/As escuto de novo/Lembrando-me de meus dias de infância/Quando o calendário era anunciado pela natureza.” O espanto com a condição de inseto das cigarras que a ciência lhes rouba é reconfigurado pela metáfora: mensageiras de Natal. A infância e um tempo marcado pelo relógio da natureza dão o tom do arremate do poema: tempo mágico.

 

O diálogo com Drummond é bem marcado pelo poema XXII da terceira parte: “E agora, José?/A internet desconectou/O computador pifou/O telefone falhou/E o helicóptero do governador passou.” O poeta mineiro é convocado a dialogar com Iranice em seu, outra vez, espanto, e dessa vez, a respeito da incomunicabilidade. Aliás, a questão da escrita, ou comunicação do que o ato de escrever pode ou não gerar, está no poema de abertura do livro. “Escrevo/Por necessidade/Não vivo de escrever/Vivo por escrever/Para que serve escrever?/Para nada, só para não morrer./Escrevo em conta-gotas/O pensamento vai caindo letra a letra;/Se escorresse como um rio logo me curaria de mim./Mas quem ficaria em mim?/Como me habitaria?”

Os poemas de Iranice são uma lufada de ar generoso na cena poética contemporânea. Esta baiana nascida no interior da Bahia na cidade de Campo Formoso, em 1988, mudou-se para Salvador onde formou-se pedagoga pela UNEB e especialista em psicopedagogia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). É uma “baiúcha”, pois viveu no Rio Grande do Sul de 1995 a 2008 para realizar os estudos de pós-graduação na UFRGS. Atualmente é professora adjunta da UNEB e mora na cidade de Lençóis, na Chapada Diamantina.

 

 

 

sexta-feira, 16 de outubro de 2020

domingo, 29 de março de 2020

Leitura na quarentena

       A Libretos já disponibilizou alguns livros de seu catálogo para download gratuito, venha conferir! Para acessar clique aqui 




sexta-feira, 13 de março de 2020

sexta-feira, 6 de março de 2020

Fátima Farias lança livro de poemas no Sarau Mel e Dendê


Fátima Farias lança livro de poemas no Sarau Mel e Dendê  

Poeta autografa no dia 13 de março no Coletivo Casa de Joana





A poeta, compositora e ativista social Fátima Farias lança seu primeiro livro solo. Em Mel e Dendê (Libretos, 104 páginas, 9º volume da série Poche, livros de bolso), a autora reúne poemas e alguns sambas, talento que herda de seu pai, o também compositor e poeta Estanislau Farias. Fátima bebeu nas fontes da poesia brasileira até que encontrou uma roda de poesia negra e, a partir daí, firmou sua própria identidade.



A autora, de múltiplos talentos, também é uma cozinheira de mão cheia. E assim conquista o coração e o estômago de quem a conhece. Na busca de suas origens, luta por um mundo melhor. Seu trabalho neste livro traz mulheres livres e a sua luta para sobreviver diariamente. De volta em volta, Fátima também chegou ao Slam. E o ritmo contemporâneo aparece em sua poética. Foi buscar também em suas paixões o que chamamos de amor romântico. E escreve igualmente sobre o amor incondicional. O amor fraternal. O amor às causas. O amor em sua essência. E o amor erótico? Esse pega fogo!



A professora e poeta Ana Dos Santos observa, no prefácio de Mel e Dendê, que os versos afiados de Fátima cortam como lâmina a realidade aparente. “Fátima Farias foi buscar em África uma palmeira que produz um óleo chamado dendê! Vem do dendezeiro. O azeite que melhora tudo. Lubrifica nossas arestas, nossas articulações, dá liga aos alimentos e frita nossos inimigos no fogo amigo. Nos prepara para as batalhas diárias que temos que enfrentar.”



O lançamento do primeiro livro solo de poemas de Fátima Farias acontecerá no Coletivo Casa de Joana (Lima e Silva, 1332 – Cidade Baixa), dia 13 de março, sexta-feira, a partir das 18h, com a estreia do Sarau Mel e Dendê. O evento contará com a presença de poetas e músicos que interpretarão poemas e sambas da autora, como Guaíra Soares que cantará Mestre; Wal Gonçalves, Nosso Caso e Maria do Carmo Carneiro, Sem despedida. E também com parcerias em composições: Renata Pires, Reza da Preta Velha (letra e melodia de Fátima Farias e Mamau de Castro); Kyzzy Barcelos, Um perfeito Amor (letra de Fátima Farias e melodia de Vladimir Rodrigues) e Renato Borba, Briguei com a Poesia (letra de Fátima Farias e melodia de Renato Borba).



Alguns dos poemas dessa obra podem ser conferidos em http://soundcloud.com/fatima-regina-farias. E a africanidade está presente desde a capa do livro, que traz fotos sobre tecido da Sankofabutik, do artista Löua Pacòm Óulaï, natural da Costa do Marfim. 





FÁTIMA REGINA GOMES FARIAS é poeta, compositora e ativista social. Nasceu em Bagé/RS, filha de Estanislau Farias e Maria de Lourdes Gomes Farias. Tem como profissão a gastronomia inspirada na cozinha tradicional com temperos e ingredientes orgânicos. Participa dos grupos Sopapo Poético, Afrogueto Urbano e Gente de Palavra. Em rodas de samba, interpreta suas obras autorais. É uma Mulher em movimento, que luta pela visibilidade da arte Negra. Participou, no Sopapo Poético, da coletânea Pretessência (Libretos, 2016). Este é seu primeiro livro solo de poesias, Mel e dendê (Libretos, 2020).



Mel e dendê

Fátima Farias

Libretos série Poche, 2020

104 páginas; 12 x 17cm

ISBN 978-85-5549-064-4

Preço: R$32,00



Eventos de lançamento do livro Mel e dendê, de Fátima Farias

13/03 - Coletivo Casa de Joana - Rua Lima e Silva, 1332 – Cidade Baixa

29/03 - Armazém Mazzola - Rua Comendador Rodolfo Gomes, 590 - Menino Deus

03/04 – Sarau Poesia Dita e Escrita na Virada Sustentável de Porto Alegre